Maria Tripulante: Melhores Momentos 2019

Com certeza o tipo de turismo que fazemos quando trabalhamos à bordo é muito diferente de vistar o lugar como turista mesmo. Primeiro por causa do tempo: em geral temos um dia por porto, porém quando fazemos temporada em um local podemos parar em um mesmo porto várias vezes de tempos em tempos. De qualquer forma, eu gosto muito de escrever minhas experiências para vocês, sei que parei por um tempo mas ainda tem MUITA história pra contar (muita mesmo!). Não deixem de me acompanhar pelo instagram (@maria.mochileira). Quem quiser pode ler mais sobre como virei tripulante e sobre o trabalho à bordo clicando aqui.

Vamos lá então! Vou começar dando um gostinho do que foi o ano de 2019, mostrando os melhores momentos dessa volta ao mundo em alguns meses.

Navegando nos Fiordes Chilenos

Quando falamos em fiordes (ou fjords) imediatamente pensamos na Noruega, onde se encontram os fiordes considerados os mais lindos do mundo. Eu não visitei a Noruega ainda, mas essas formações geográficas fascinantes também podem ser encontradas aqui pertinho do Brasil, na costa do Chile. O Silver Explorer desceu desde Valparaiso (que é próximo a Santiago) até o Ushuaia contornando os complicados canais repletos de montanhas e geleiras, e passando também pelo Estreito de Magalhães. O cenário é lindíssimo!!

Milhares de pinguins em Salisburry Plain, South Georgia

South Georgia é um Arquipélago no sul do Atlântico que também possui uma beleza natural inacreditável. O ponto alto aqui é a praia de Salisburry Plain, onde existe uma colônia gigantesca de pinguins-reis. Estima-se em torno de 200 mil pinguins nessa colônia!! Também conseguimos ver várias focas (elas são agressivas!) e até mesmo algumas focas-elefante por lá.

Hiking na neve e baleias em Neko Harbour, Antártida

Durante a temporada na Antártida passamos por muitas ilhas e praias, mas eu tenho uma lembrança especial desse dia em Neko Harbour.

Depois de passar por uma pequena colônia de pinguins da espécie gentoo, toda a equipe do restaurante fez essa íngreme subida até a pedra no ponto mais alto, onde tiramos umas fotos incríveis. Pedimos muito e o time de expedição encontrou uma área segura pra gente escorregar na neve de lá até a parte baixa (na última vez que eles tinham feito isso pros tripulantes eu não estava junto), o que foi bem divertido. Na volta ao navio, de zodic (aqueles powerboats pretos) passamos bem pertinho de duas baleias, fechando o dia com chave de ouro!

Paradinha relâmpago na Ilha de Páscoa, Chile

Esse é um daqueles dias que nos lembra porque aguentamos os perrengues dessa vida à bordo.
Pois bem, as pessoas me perguntam muito se eu tenho tempo pra sair e passear. A resposta é NÃO (haha)! Brincadeira, mas a gente sempre dá um jeito.
Era quase impossível da gente sair na Ilha de Páscoa, porque era dia de embarque e desembarque. Em um certo momento, minha manager me mandou pra 1h de intervalo. Eu sentei na cabine e a Mallika (minha colega de cabine) chegou logo em seguida. Olhamos uma pra outra e falamos “VAMOS SAIR? TEM Q SER AGORA!!” E saímos, em 5 minutos de troca de roupa mais rápidas que o Flash! Pega life jacket, passa o cartão, entra no Zodiac, chega na praia e CORRE CORRE CORRE pras estátuas! Hahaha
Foram pouco mais de 20 minutos pisando o solo rico em história da Ilha de Páscoa. É o que basta pra te deixar com aquele sorriso lindo no resto do dia de trabalho.

Descobrindo um paraíso na Terra: Bora Bora, Society Islands

E será que Bora Bora é tudo isso que dizem? SIM, é tudo isso e mais um pouco!

Eu dei muita sorte pois tínhamos folgas rotativas na equipe do restaurante, e a minha caiu bem no dia de Bora Bora! Explorei um pouco o vilarejo perto do pier, comi por la e depois fui até a praia de Matira. Também joguei um papo na recepção do resort Intercontinental Le Moana, pra eles deixarem eu entrar e tirar foto nos bangalôs. E não é que colou??

Incrível Lagoa Azul em Aitutaki, Cook Islands

Eu nunca nem tinha ouvido falar das Cook Islands, o que me surpreendeu muito ao colocar os pés na ilha de Aitutaki. Pra mim foi um dos melhores destinos do Pacífico Sul, mas provavelmente só não compete com Bora Bora pela falta de infra-estrutura de turismo e a dificuldade de entrar na barreira de corais.

Conseguimos carona de um local que nos levou à Lagoa azul, uma área com um banco de areia que cria uma grande extensão de mar que parece uma lagoa rasinha, dando pra andar até bem longe e tirar fotos em perspectiva parecidas com as que as pessoas tiram no deserto de sal da Bolívia.

Descobrindo o MS World Discoverer em Roderick Bay, Solomon Islands

Experiência cultural impagável com os nativos de Lamotrek, Micronesia

Nem sei por onde começar explicando o quanto esse dia foi especial.

Você acredita em energia? Eu não sei explicar, mas tem lugares em que você consegue sentir isso. Em Fiji, eu lembro que foi ao contrário. Alguma coisa estranha me fez desgostar de lá. Mas Lamotrek, na Micronésia, foi exatamente ao contrário.

Nesse dia eu estava trabalhando na ilha e ainda caiu um toró daqueles! Mas a energia das pessoas, as nativas cantando, as crianças brincando na chuva, a gente pulando na água durante a chuva depois, e fechando com chave de ouro, dando uma volta na jangada construída por eles. Isso tudo numa ilha que parece a ilha da Moana!

Paz, beleza e tradição no grande Tori de Miyajima, Japão

Ai, Japão! Eu nunca vou me cansar desse país.

Miyajima é uma pequena ilha perto de Hiroshima, conhecida pelo grande Torii (portal) no meio do mar. O templo de lá também é muito bonito e a ilha é considerada sagrada, sendo seu nome original Itsuko-shima, que pode ser traduzido como “onde deus reside”.

Um passeio solitário e um almoço incrível em Sokcho, Coreia do Sul

Quando paramos em Sokcho eu tinha tempo livre então decidi andar do porto até o lago Cheongchoho. Meu objetivo era explorar e comer (hehe), e meu almoço aquele dia não decepcionou, foi MARAVILHOSO!

Fica a dica de onde comer em Sokcho se um dia você passar por lá, além dos diversos tours pelos templos das montanhas que eu não tive tempo de fazer, tente comer neste restaurante na beira do lago chamado Chungchosoo (청초수물회) e que é considerado um dos melhores da região.

Como se não bastasse, eu pedi dois pratos principais! Um primeiro foi um bowl gelado chamado Haejeon Mulhoe, com um mix de peixes e o abalone, que é um molusco bem típico na culinária asiática. O segundo foi o Ojingeo Sundae, uma lula inteira recheada com arroz e cogumelos, frita e cortada em rodelas. Tudo acompanhado, é claro, por aquelas porçõezinhas características de condimentos, arroz e ainda me deram noodles! SOCORRO! hahaha

Essa brincadeira aí ficou em ₩ 33,000, que é aproximadamente R$ 150. Caro, mas a experiência foi incrível e dava pra comer duas pessoas fácil.

Endereço: 12-36 EXPO-ro, Joyang-dong, Sokcho-si, Gangwon-do, Coreia do Sul

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s